sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Construção de um charco/lago

+
Tenho feito neste espaço referência ao meu charco, cuja imagem atual apresento acima. Foi para mim um projeto conseguido.
Possuir um charco dá-me imensa alegria!
Sempre gostei de vida selvagem e o meu charco acaba por ser, no meu jardim, uma ilha prenhe de biodiversidade. Este gosto estende-se à restante família, com destaque para os meus filhos. Plantas aquáticas, insetos, crustáceos, anelídeos, moluscos, anfíbios, répteis e aves, todos têm lugar nesta pequena Arca de Noé. O mais interessante é que, sem qualquer esforço, todos estes seres vivos nos entram pelos olhos adentro.
O meu charco não é uma entidade isolada, estática. É muito mais do que um simples aquaterrário. Interage com o meio envolvente – regatos, nascentes, tanques e outros charcos da minha região. O meu charco é parte integrante do ecossistema global, recebe, mantém mas também dá vida.
Um novo coaxar, uma nova espécie de libelinha, o primeiro contacto com os ovos da rã, …. Possuir um charco não é só diversão, também é conhecimento. Cada planta e cada animal novo aguça-nos a curiosidade, incentiva-nos a investigar.
O mais curioso é que depois de construído, o sistema funciona sozinho. Limito-me a acrescentar água no verão.
Relativamente à construção de um charco, partilho neste post a minha experiência. Sempre poderá ser útil a mais alguém!...
+
A escolha do local

Para estabelecer o meu charco escolhi um local afastado de árvores, pelas consequências negativas que advêm da inevitável queda de folhas. A decomposição das folhas leva à diminuição do oxigénio contido na água.
O local escolhido não possuía quaisquer canalizações ou cabos elétricos no subsolo, pelo que estive absolutamente à-vontade aquando da escavação.
Próximo do local havia uma torneira – estava assegurado o fornecimento de água.
O charco deveria ficar localizado num local onde apanhasse sol direto, durante pelo menos uma parte do dia. Esta condição estava assegurada.
Quem tem um bebé, por razões óbvias deverá localizar o charco num local que não lhe seja acessível, cuidado partilhado aliás por quem constrói uma piscina. Com crianças já grandes não tive esta preocupação.
Localizei o charco no meu jardim mesmo em frente ao meu lar. Trata-se de um lugar de passagem, facilmente visível a partir de casa. Pela proximidade, se eu não for ao encontro da natureza ela encarrega-se de comigo vir ter. O charco na minha casa passou a ser um local privilegiado para a observação da vida selvagem.
+
O tamanho do charco

É evidente que quanto maior for um charco, mais facilmente será atingido e mantido o equilíbrio biológico. Um charco nunca deve ter menos de 10 metros quadrados de área. A superfície do meu charco tem de área 36 metros quadrados. A profundidade do meu charco no ponto mais fundo ronda os 80 cm, valor mínimo recomendado para a profundidade máxima. Com uma profundidade superior ou igual a 80 cm, no pino do verão a vida animal poder-se-á refugiar no fundo mais fresco; durante o inverno a vida animal procurará refúgio no fundo, agora mais quente, mesmo que a superfície do lago se encontre congelada.
+
Charco pré-fabricado ou charco construído com tela impermeável?
Nos dias de hoje, em Centros de Jardinagem ou em grandes superfícies de bricolagem, é fácil encontrar à venda charcos pré-fabricados e telas impermeáveis para charcos.
Relativamente aos charcos pré-fabricados, são normalmente de pequenas dimensões e com margens muito inclinadas. Considero que limitam a nossa liberdade criativa, tendo ainda no meu entender um aspeto muito pouco natural. Esta não foi a minha opção.
O meu charco foi construído com tela de borracha, material extremamente flexível, resistente à radiação UV e por isso duradouro. A tela permite total liberdade na forma, dimensão e profundidade do charco. Os charcos construídos com tela têm um aspeto mais natural. As telas podem ser de PVC, borracha ou polietileno. Quanto maior for o charco maior espessura deverá ter a tela. A minha tela tem 1,5 mm de espessura.
Considero que vale a pena investir numa boa tela, peça fundamental no sucesso do charco.
+
As dimensões da tela
Existem telas para charco de tamanhos pré-definidos 5X5, 6X6, …. Noutros casos a tela é vendida ao rolo, 5x…, 6x… . Algumas telas permitem a colagem, sendo que nessa situação o lago pode ter teoricamente qualquer dimensão.
Ao efetuar a escavação, atendi às dimensões da tela que tinha comprado. A área de tela a usar será sempre superior à área do espelho de água:
- é necessário uma margem de 70 cm à volta do lago para a projeção da margem;
- a colocação da tela originará sempre a formação de pregas;
- estando o fundo do charco a uma cota inferior à do terreno, a tela é sugada para o interior do lago aquando do enchimento com água.
A existência de uma franja de 70 cm à volta do charco permite a formação de uma barreira de capilaridade, constituída por godo (seixos rolados de pequena dimensão) e calhaus rolados, aspeto de grande importância. A barreira de capilaridade evita que o solo circundante ao lago sugue a água do seu interior.

Comprimento da tela = comprimento do charco + 2xprofundidade+2x70 cm de margem
Largura da tela = largura do charco+2xprofundidade do lago+2x70 cm de margem

+
Construção do lago

Escolhi a forma e dimensão do charco atendendo à dimensão da tela que dispunha. De contorno oval, comecei por configurar o limite do charco sobre o terreno, recorrendo a uma mangueira. Podia ter feito o mesmo com uma corda. Seguidamente iniciei o processo de escavação. Entraram em ação a pá, o carro de mão e, como o solo era muito duro, a picareta.



Aquando da escavação, construí terraços para as plantas. Periodicamente, há medida que avancei na escavação, fui estendendo uma corda segundo a largura e segundo o cumprimento do charco, ajustando-a convenientemente ao seu perfil, de forma a assegurar que não eram ultrapassadas as dimensões da tela, incluindo os 70 cm para cada margem.
Para que a superfície da água ficasse nivelada entre as margens, recorri a um nível. Dadas as dimensões do charco, quando usava o nível assentava-o numa régua comprida. Elevei ligeiramente as margens relativamente à cota do terreno, por forma a evitar a entrada de água de escorrência, muitas vezes carregada de nutrientes prejudiciais à qualidade da água.
Uma vez escavado o charco, procedi à limpeza do seu interior, retirando pedras e raízes. Dado que o solo do meu terreno é xistoso, com imensas lascas cortantes de xisto, esta tarefa foi bastante trabalhosa. Uma lasca esquecida e todo o trabalho seria posto a perder.




O passo seguinte foi o revestimento do interior do charco com areia (aprox. 5 cm de espessura). Molhei previamente a areia, por ser dessa forma mais fácil revestir as zonas mais declivosas. Sobre a areia, coloquei uma manta de geotêxtil (o geotêxtil compra-se em superfícies de venda de materiais de construção) que promove uma proteção extra à tela.



Chegou o momento de colocar a tela impermeável. O processo foi facilitado por ter sido feito num dia quente. O calor torna a tela mais maleável, minimizando a formação das inevitáveis pregas. A aplicação da tela implicou a intervenção de outras pessoas, uma por vértice. Ao circular sobre a tela tive o cuidado de usar calçado que não a danificasse. Alguns dos meus ajudantes circularam mesmo descalços.
Existem à venda nos centros de jardinagens telas de fibra de coco. Estas telas dispostas sobre a inestética tela impermeável acabam por escondê-la. Servindo de substrato, facilitam ainda a colonização do charco quer pelas plantas, quer pelos animais. Desconhecendo na altura a existência das mantas de fibras de coco, não as coloquei no meu charco.

Chegou a hora de encher o lago com água. Para que não existissem distensões na tela que encurtassem a sua duração e para que ela se ajustasse na perfeição ao fundo escavado, não coloquei qualquer material dentro do charco, sem que primeiro o mesmo transbordasse de água. Claro que meia dúzia de pedras nos extremos da tela ajudaram a mantê-la esticada enquanto o lago enchia. Quando atestei o meu lago pela primeira vez, tomei nota da leitura do contador antes e depois do enchimento. A diferença permitiu-me saber o volume do charco – aproximadamente 6 metros cúbicos.
Após encher o charco cortei o excesso de tela à sua volta, mantendo os 70 cm correspondentes à barreira da capilaridade. A tela evita também o crescimento de ervas indesejáveis.


Com as sobras da tela criei espaço além margem para algumas plantas de zona pantanosa. Foi só escavar, colocar tela e perfurar com uma forquilha para que existisse neste caso alguma drenagem.
+
Plantio
As plantas estão na base do ecossistema aquático, fornecendo oxigénio, alimento, abrigo e local de desova a muitos animais. A presença de plantas é ainda indispensável no combate às indesejáveis algas. Não é de descorar ainda o seu valor estético.
As plantas para o charco não deverão ser compradas em viveiros. A custo zero devem ser colhidas na natureza, evidentemente em áreas não protegidas, minimizando-se dessa forma a contaminação genética e a introdução de espécies exóticas invasoras.



Delimitei com calhaus rolados de grande dimensão um dos extremos do primeiro patamar submerso. O espaço assim delimitado foi preenchido com areia (10-15 cm de espessura). Estava criado o substrato para uma grande variedade de plantas marginais (juncos, lírios, tábuas, caniços, pulgueiras, rabaças, …).


Nos restantes patamares e no fundo do lago, plantei em vasos e em cestos algumas plantas de folha flutuante (Nenúfares, celgas, …). As lentilhas-de-água apareceram sozinhas, talvez agarradas às patas ou às penas de alguma ave.
Para disseminar plantas emersas como a erva-do-peixe-dourado, limitei-me a atá-las a uma pedra, lançando-as depois no interior do charco.
Ao nível da manutenção, no futuro sei que serão necessários desbastes já que a vegetação não deve exceder 1/3 ou mesmo ¼ da superfície da água.
+
Últimos retoques / Fixação das margens
As zonas declivosas foram preenchidas com calhaus rolados, do tamanho mínimo de um punho. Areia mais fina, facilmente colonizável pelas plantas, tinha já sido colocada nas zonas de plantação. A bem da qualidade da água, não coloquei terra no interior do lago.



Existem várias opções para fixar a margem de um lago: relva, lajes de pedra ou cimento, godo. No meu charco, pela facilidade de aplicação, optei pela margem de godo. O godo foi aplicado após ter espalhado alguns calhaus rolados na margem, prolongamento dos calhaus que já tinha aplicado no interior, nomeadamente como suporte à margem. Esta situação é facilmente percetível observando os esquemas apresentados mais acima. Penso que esta opção deu um aspeto mais natural ao charco. Parcialmente submersas, coloquei algumas pedras no interior do lago, junto à margem. Estas mini ilhas são agora poiso para as aves que vão beber. Servem ainda de rampa de mergulho às minhas rãs. Extensão da margem, lancei algum godo no interior do charco o que ajudou a disfarçar a existência da tela impermeável. As pregas que a tela formou foram camufladas com calhaus rolados.
Calhaus, areão, godo, pedras, … Sob pena da tela romper, qualquer inerte que se use no charco não poderá ter arestas vivas.
O godo é facilmente arrastado pelo que não convém por norma andar em cima dele. Para facilitar o acesso ao charco construí um passadiço de madeira, elevado relativamente ao terreno - é o meu posto de vigia. Na margem do charco correspondente ao passadiço não deixo crescer qualquer vegetação, o que facilita a sua visualização.



Um charco evolui. O aspeto desolador de um charco recentemente plantado contrasta com o aspeto luxuriante que tem passado um ano.
+
A Fauna
Faltava ativar o charco. Para o efeito introduzi-lhe um balde de lodo extraído de um outro charco das redondezas. Estava assim introduzida a semente da vida - seres vivos microscópicos, insetos, anelídeos, crustáceos,…, e respetivos ovos.
Os barqueiros e os alfaiates foram os primeiros animais a ver no lago.



Algum tempo depois, após estar estabelecido o equilíbrio, introduzi no charco algumas rãs-verdes, insetos aquáticos (escorpião de água, libelinha, …) e respetivas larvas, fruto de capturas em massas de água da região. Animais existiram que chegaram sozinhos ao charco– tritão marmoreado, cobra de água viperina, …. Outros, como as aves, vão e veem.
A biodiversidade de um charco é incompatível com a presença de peixes, autênticos glutões. Quem pretender um charco biodiverso, esqueça os peixes.


Um velho tronco de madeira junto à margem, serve de abrigo à bicharada. Procuro neste momento um mais exuberante.

As duas primeiras e as duas últimas imagens deste post, referem-se ao lago um ano e meio após a sua construção.
+
Lista de Material necessário à construção do charco:

- Mangueira
- Pá
- Picareta
- Carro de mão
- Régua comprida e nível
- Tela impermeável
- Geotêxtil de proteção à tela
- Areia fina (proteção à tela e plantio)
- Godo
- Calhaus rolados
- Plantas de margem
- Plantas de folhagem submersa
- Plantas de folhagem flutuante
- Balde de lodo
+
Lista de Material para a construção do passadiço:

- Barrotes
- Ripas de madeira
- Parafusos
- Parafusadora
+

Delicie-se com outras informações sobre charcos em:
Rafael Carvalho / ago2012

11 comentários:

  1. Mais uma vez muitos parabéns pelo charco! Ainda dá um trabalhinho! Será um pouco como ter um aquário, mas em vez de sermos nós a escolher os animais, sao eles a escolher-nos, além de ser biopositivo. :P

    Era interessante ver mais iniciativas destas também em jardins públicos, por exemplo em jardins junto de cursos de água.

    ResponderEliminar
  2. Caro Rúben,
    garanto que é deveras interessante!
    Quanto ao trabalho, não foi tanto quanto possa parecer.
    Recomendo a experiência.
    Eventuais dúvidas, ... Estou disposto a partilhar mais se for caso disso.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  3. Tem aqui um belíssimo lago! Sei por experiência própria que é muito recompensador ver a evolução das plantas e dos animais, enfim do próprio ecossistema. Há sempre pequenos invertebrados a surpreender-nos, sobretudo de noite se nos aproximarmos com uma lanterna.

    ResponderEliminar
  4. Ana,
    obrigado pelo comentário.
    Volte sempre.

    ResponderEliminar
  5. Parabéns pelo excelente charco Rafael.
    (a equipa Charcos Com Vida)

    ResponderEliminar
  6. Armando,
    obrigado pelo comentário.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  7. Parabéns pelo resultado que obteve! Informação fantástica e esclarecedora, a que disponibiliza aqui. Muito obrigada! Penso fazer em breve um mais pequeno...

    ResponderEliminar
  8. Desde já parabéns pelo charco e pela informação tão detalhada aqui presente!
    Pretendo construir um charco em breve e este artigo vai sem dúvida alguma ajudar-me a concretizar este meu projecto.
    Obrigado por fazer a diferença.

    ResponderEliminar
  9. Também tenho um charco, parecido, mas que tem apenas cerca de 2-3 m2 de área e uns 40-50 cm de profundidade no ponto máximo). É bem mais pequeno e mais fácil de construir. Também ele está populado. As rãs que lá introduzi (6 girinos dos quais sobreviveram 2 que são agora duas bonitas rãs adultas) alimentam-se de libelinhas e outros insetos que lá aparecem. As aves param lá para beber. Apenas adiciono água e retiro umas algas de vez em quando. De resto é autosuficiente. É maravilhoso observar a vida selvagem a seguir o seu rumo. Recomendo. O site www.charcoscomvida.com também dá muitas informações.

    ResponderEliminar
  10. Esse charco é muito perigoso para crianças porque é muito fundo no interior e se uma criança cair ai dentro morre afogada...

    ResponderEliminar
  11. Parabéns pelo excelente trabalho de execução e sua divulgação.
    Obrigado.
    Plácido Coelho

    ResponderEliminar